Como funciona o processo de importação marítima?

22 de julho de 2019
blank

A Importação marítima tem se tornado um caminho que muitos empreendedores estão começando a adotar.

Com o incentivo cada vez maior das leis brasileiras, pequenos e médios empresários estão tendo a oportunidade de ter acesso a fornecedores que,

antes eram restritos apenas aos grandes players do mercado.

Além do mais, os benefícios de se investir em produtos estrangeiros são muitos, eles lhe permitem:

  • Ampliar o seu catálogo;
  • Alcançar preços mais competitivos;
  • Adquirir produtos exclusivos e de alto valor percebido;
  • E muito mais.

Mas tudo isso só é possível se você tiver consciência do que está fazendo.

Porém, por conta das burocracias e leis envolvidas no processo, a maioria das pessoas que desejam entrar nesse mercado acabam ficando com muitas dúvidas.

Aliás, uma das perguntas mais comuns que observamos é sobre o processo de importação marítima, desde a pesquisa de produtos até a legalização.

Se você também tem essa dúvida, então leia até o final!

Neste artigo vamos lhe mostrar, de forma simples, as principais etapas de uma importação marítima que você precisa cumprir para receber

e poder comercializar seus produtos. Veja!

Entenda o processo de importação marítima com esses 5 passos

 

1. Pesquisa e análise de produtos

A primeira etapa é a pesquisa de produtos, nela você vai buscar todos os produtos que lhe chamarem a atenção, para compor seu pedido.

Aliás, um detalhe muito importante a ser ressaltado, é que você verifique se estes produtos são permitidos pela

legislação alfandegária brasileira e se precisam de licença.

Todas essas informações você consegue consultar na SISCOMEX (Sistema Integrado de Comércio Exterior).

2. Registro do seu Radar

Para que você consiga começar a importar ou exportar produtos é preciso ter uma autorização da Receita Federal.

O nome deste documento é RADAR ou “Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros”.

Assim, ele te permite fazer a importação ou exportação de grande volume de produtos com a finalidade de comercialização.

Se quiser conhecer um pouco mais sobre ele, escrevemos também um artigo explicando: tudo que você precisa saber sobre o Radar Siscomex.

3. Pesquisa e negociação com fornecedores

Se você já atua no ramo do varejo, então sabe como é um processo de prospecção e negociação de produtos.

No comércio exterior não é diferente, você precisa se ater a alguns elementos chave para garantir uma boa compra, são eles:

  • Qualidade dos produtos;
  • Preços agressivos;
  • Formas de pagamento;
  • Prazos;
  • Modalidade de entrega.

Outro fator que não citamos acima, mas que não podem faltar de forma alguma é verificar se o fornecedor possui experiência com exportação marítima.

Dica: Antes de investir em uma grande remessa é importante que você valide o produto e o fornecedor, uma dica bastante útil é fazer um pedido de amostra como teste.

Só isso já pode lhe economizar muitas dores de cabeça desnecessárias!

4. Licenciamento dos seus produtos

Lembra que comentamos acima, sobre a necessidade de licenciar alguns produtos?

Então, caso não seja exigido nenhum tipo de permissão para que, ele seja comercializado no Brasil, basta você registrar

a Declaração de Importação, ou “DI”, no Siscomex.

Entretanto, se houver alguma solicitação, você deve registrar o Licenciamento de Importação, ou “LI”.

Posteriormente, este documento é emitido pelo próprio órgão responsável pela análise do tipo de produto que será nacionalizado.

5. Desembaraço aduaneiro

Conforme resolvido todas as etapas anteriores e já feita a compra, seu fornecedor fará todo o processo de despacho do produto em seu país de origem.

Você poderá acompanhar todo o trajeto da sua carga no navio, até ela chegar ao Brasil.

Aqui, será necessário que você solicite o processo de análise e nacionalização de sua mercadoria, para que ela seja liberada.

Este é o famoso desembaraço aduaneiro!

Contudo, nesta parte, será feito uma avaliação física e documental, para ver se seu pedido atende a todos os requisitos previstos na legislação brasileira.

Você precisa contratar um despachante aduaneiro para cuidar desta etapa.

Então, estando tudo certo, sua mercadoria será liberada para ser retirada e transportada até sua empresa.

Você pode ter até uma visão geral do processo de importação marítima.

Portanto, devido à burocracia fiscal e tributária, além dos demais custos e riscos evolvidos em cada etapa de uma importação, muitas empresas preferem contratar uma trading.

A Trading é uma empresa especializada em negociação e importação de grandes volumes de produtos que terceiriza todas as etapas desta operação.

Se você quiser saber mais sobre o que é uma trading e como ela consegue reduzir os custos de importação fornecendo maior segurança, então confere aí esse artigo que escrevemos.

Notícias aduaneiras do mês de setembro

15 de setembro de 2020

ver mais

Série Importação: Máquinas para a movimentação de carga

3 de setembro de 2020

ver mais

Série Importação: Máquinas para a agricultura

26 de agosto de 2020

ver mais

Notícias aduaneiras do mês de agosto

17 de agosto de 2020

ver mais