Existe uma bolha imobiliária na China? O que ela pode afetar nas suas importações?

5 de novembro de 2019

Atualmente a bolha imobiliária da China é um dos assuntos muito comentados dentro do segmento de comércio exterior. Por ser uma potência mundial, o risco de crise no país preocupa não só sua população, mas os líderes de todos os outros lugares envolvidos.

Quer saber mais sobre a bolha imobiliária da China e como ela pode afetar as suas importações? Então acompanhe o texto abaixo! Nele, você vai encontrar todas as informações que precisa sobre o assunto e dicas sobre a melhor forma de conseguir bons negócios para a sua empresa. Vamos lá?

O que é a bolha imobiliária?

Antes de entender se existe uma bolha imobiliária na China, é preciso compreender o que realmente significa esse termo. Você já sabe?

Quando falamos de bolha imobiliária, queremos dizer que o mercado recebe um movimento de aumento de todos os preços. De forma acelerada e que não refletem o preço verdadeiro das propriedades.

Esse tipo de bolha causa a ideia de que os valores vão aumentar cada vez mais, então, os consumidores preferem se precaver e compram rapidamente um imóvel pensando que ele vai valer muito mais depois.

Porém, essa supervalorização nem sempre dura muito tempo e em algum momento, esses preços caem, ou seja, a “bolha estoura”. Esse estouro pode causar um cenário grave de crise e prejuízo para o mercado.

Confira esse exemplo:

Vamos supor que você comprou uma casa pela pressão do mercado e das mídias, que diziam que em breve esse mesmo imóvel valeria muito mais. Para não perder esse investimento, você resolve não esperar e faz um empréstimo para adquirir o imóvel. Agora, imagine muitas pessoas fazendo isso, quase um país inteiro. Depois, com a desvalorização, o valor dos imóveis caem, as pessoas perdem dinheiro, ficam endividadas e o mercado entra em crise.

Por que a bolha imobiliária acontece?

Na maior parte das vezes, essa bolha imobiliária ocorre porque o governo do país tenta estimular o setor e acaba injetando dinheiro, facilitando crédito e as compras dos imóveis. Com toda essa facilidade, a população compra mais e consequentemente os valores vão aumentando.

O problema acontece quando o governo resolve parar com os incentivos, os valores caem e a bolha estoura.

Existe uma bolha imobiliária na China?

Especialistas já enxergam pontos que indicam sim uma bolha imobiliária na China, muito semelhante ao que foi visto nos anos 80 com o Japão. Na época, o país teve um colapso nos preços e um crescimento econômico muito fraco. O que os profissionais falam é que a China deve ter cautela nesse momento para lidar com o setor. Tentando assim evitar a tão temida bolha.

Um dos pontos mais semelhantes entre o Japão de 1980 e a China de agora, ainda segundo os especialistas, é a política monetária frouxa que incentivou a expansão da bolha imobiliária.

Atualmente, os valores de imóveis na China já estão muito além do normal. As famílias de classe média do país precisariam trabalhar, sem gastar nada, por mais duas décadas para conseguir pagar uma casa.

Por que está acontecendo a bolha imobiliária na China?

Em 2008 a China teve uma crise financeira grave e como resposta a ela, o governou injetou crédito na economia. Dessa forma, alimentou rapidamente o crescimento de hipotecas, empréstimos e investimentos no setor imobiliário nos últimos anos.

O Japão teve um movimento parecido em 1980 que fez o país ficar em recessão por quase 25 anos.

O Trade War influencia nessa bolha imobiliária?

A China e os Estados Unidos estão em uma guerra comercial, chamada de Trade War, há algum tempo. Se você quiser saber mais sobre o assunto, clique aqui.

A resposta é sim, o Trade War influencia na bolha imobiliária. A partir do momento em que Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, começou a aumentar as tarifas sobre as importações chinesas. Aumentaram também os riscos de que a bolha imobiliária da China e todas as dívidas do país deixem a economia vulnerável.

Os preços do setor imobiliário na China continuam subindo

Os preços de habitação na China e a solicitação por empréstimos bancários no setor não param de crescer. Com isso, as pessoas são jogadas para casas com valores que não podem pagar, além de deixar os promotores imobiliários endividados.

Além disso, o desequilíbrio entre oferta e demanda dos imóveis na China pode se agravar porque a população está envelhecendo rápido e a força de trabalho do país está diminuindo. Esse também foi um dos problemas de deflação que o Japão sofreou.

Esse aumento de aposentados faz com que o consumo de bens e serviços caia em relação às famílias jovens e com filhos. Por isso, o investimento de empresas no país também diminuiu, afinal, o retorno é mais baixo.

Como a bolha imobiliária da China pode afetar nas suas importações?

Se a bolha imobiliária da China realmente estourar, isso pode afetar não só o próprio país. Mas todos os outros envolvidos economicamente, já que estamos falando de uma potência mundial.

Com a China entrando em crise, as importações podem ficar mais caras. Consequentemente, o valor que você vende as coisas aqui no Brasil, também ficariam. Além disso, o fluxo das do comércio internacional pode diminuir causando até uma queda no crescimento de maneira global.

Como importar da China de forma segura?

O ideal para você não perder dinheiro e efetuar negócios lucrativos, é contratar uma empresa especializada em comércio exterior. Isso porque profissionais da área conseguem identificar com mais facilidade as melhores oportunidades para sua empresa.

A Open Market pode te ajudar nisso. Somos a maior Tranding do sul de Santa Catarina e estamos entre as 20 maiores do estado. Fale com a gente para encontramos a melhor solução para você.

Existe uma bolha imobiliária na China? O que ela pode afetar nas suas importações?

5 de novembro de 2019

ver mais

A diferença entre inflação, deflação e desinflação e como elas podem afetar o comércio exterior

7 de outubro de 2019

ver mais

Trade War Estados Unidos e China: O que ganhamos e o que perdemos?

3 de setembro de 2019

ver mais

Entenda a logística em Portos e Aeroportos – Importações e Exportações

16 de agosto de 2019

ver mais